C O N T R A M Ã O


ASCENSÃO E QUEDA

A ascensão.

A queda.

Movimentos naturais do Universo em todas as coisas:

OUTONO
 
As folhas caem como se do alto
caíssem, murchas, nos jardins do céu;
caem com gestos de quem renuncia.
 
E a Terra, só, na noite de cobalto,
cai de entre os astros na amplidão vazia.
 
Caímos todos nós. Cai esta mão.
Olha em redor: cair é a lei geral.
 
E a terna mão de Alguém colhe, afinal,
todas as coisas que caindo vão.
 
RAINER MARIA RILKE (1875-1926).
Poeta tcheco de expressão alemã. Poema extraído de Alguns poemas e Cartas a um jovem poeta (Rio de Janeiro: Ediouro, 1997), em tradução de Geir Campos.

Mais Rilke aqui em: 06/03/2006, 08/02/2006 e 07/10/2007.



Escrito por Mayrant Gallo às 12:01
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




VAIDADE

Rua Rockfeller, Barris, Salvador, BA, hoje, por volta das 10 horas, depois que levaram a árvore embora...

Atrás desta barraca aí no centro da foto, perto dos orelhões azuis, havia uma árvore, que um tirano de minha rua, o senhor Luís Antunes Nery, mandou cortar, alegando que estava podre, o que a Prefeitura de Salvador fez hoje de manhã, sem que nenhum morador pudesse protestar... Nada de surpreendente, porém, afinal o Homem é a única espécie que mata as outras espécies, e a sua própria, por vaidade. 



Escrito por Mayrant Gallo às 11:42
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




DAS DERROTAS

O problema é que o Brasil é o melhor num esporte em que não há melhores. Apenas vencedores circunstanciais.

Foto (Globo.com): Cristiane, depois de EUA 1 X 0 Brasil. Medalha de prata com travo de ferro.



Escrito por Mayrant Gallo às 14:38
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




SOLARIANOS FALAM

Guerra dos mundos, de S. Spielberg, a segunda versão para o cinema do romance de H. G. Wells.

"Não há diferença entre realidade, imaginação e sonho. Para o cérebro humano é tudo a mesma coisa. Por isso, não separo minha literatura em rótulos. O que realmente importa é buscar a perfeição, seja na FC, na literatura fantástica, ou na literatura a-vida-como-ela-é. Vivemos um momento especial da literatura nacional, mas instável. Muita publicação, pouca leitura. Muita festa, pouca reflexão. Chega de bossa-nova, a literatura quer delírio! No livro O lobo da estepe', do escritor Hermann Hesse, há um letreiro que chama a atenção do protagonista: SÓ PARA OS RAROS; como também o subtítulo do folheto O tratado do Lobo da Estepe: SÓ PARA LOUCOS. Portal Solaris é isso, uma revista só para os raros... só para loucos. Homero Gomes

"Acho que o melhor da ficção científica – por exemplo, Bradbury, Huxley, Orwell, Dick – vai muito além dos clichês e atinge o patamar da alta literatura. Do mesmo modo, Márcia Denser e Henry Miller fazem muito mais do que literatura erótica, Rubem Fonseca não faz apenas romance policial, nem Edgar Allan Poe escreve terror para assustar criancinhas." Ivan Hegenberg

"Entrei neste mundo viajando pelo espaço sideral, já que, como muitos garotos de minha geração, crescendo nos anos 60 e 70, era de foguetes e espaçonaves que era feita minha imaginação. Com os pés no chão literário, porém, descobri outras possibilidades. Estudei "creative writing", fiz workshop na terra dos romances feitos com receita, escrevi dois deles em inglês, cansei. Hoje a originalidade do meu texto vem desta influência toda, sem dúvida alienígena." Ataíde Tartari

"Na minha opinião, salvo raríssimas exceções a linha principal da nossa literatura não conseguiu apresentar nada de novo, nada de vivo, nos últimos dez anos. Livro após livro as mesmas formas e os mesmos conteúdos têm sido revisitados monotonamente por centenas, milhares de estreantes e veteranos. Acredito que a mistura de gêneros e linguagens é a melhor maneira de melhorar essa situação. A ficção científica, gênero riquíssimo em novos assuntos e instigantes desafios da linguagem, precisa ser descoberta pela linha principal da literatura brasileira. E vice-versa. Penso que o Projeto Portal tem tudo pra ser um passo seguro nessa direção." Luiz Bras

"Muito me encanta aquela literatura inventiva, criativa, poética, que transcende a mera descrição, narração ou exacerbação realista. No entanto, em pauta hoje, no Brasil, estão uma literatura ultra-estilista ou ultra-realista, que se volta ora para si mesma ora para a realidade sobretudo urbana, em sua pretensão ingênua de descrevê-la, entendê-la ou explicá-la. Sendo assim, Portal Solaris, uma vez que se propõe a ser uma revista de Literatura Fantástica e Ficção Científica, é de suma importância para conhecer o que vem sendo feito de diferente e criativo na literatura brasileira contemporânea." Rogers Silva

Vampiros de almas, de Don Siegel, baseado no alegórico The invasion of the body snatches, romance de Jack Finney. Paranóia em plena Guerra Fria.

"O que me parece que vai resultar de mais fundamental nesse ajuntamento de autores de uma mesma tendência estético-literária  num projeto editorial comum é a criação de um novo continente literário no Brasil, Afinal, por não se demonstrar unificado, esse continente ainda não "existia", não ressoava seus contornos, conteúdos abissais, não se auto-gerara, permanecia fragmentado, composto de ilhas loucas sem pontes ou navegações entre elas. Desconectados, seus habitantes, individualizados demais, vivíamos nas ilhas escrevendo sozinhos como náufragos e nem tínhamos garrafas estelares como este Portal Solaris para enviar mensagens pelo mar. Agora, com essa iniciativa do Nelson de Oliveira, podemos até pensar em um manifesto, em uma carta de princípios, alguma coisa que desse fundamento, colagem semântica a esse, de fato, notável acontecimento literário. Acho que, sem querer, pela força demasiada da inércia em  que vivíamos, o pêndulo agora oscilou no sentido do movimento, da ação. Nós, os patinhos feios da literatura brasileira, escritores criadores de todo esse lado da fantasia, do numinoso, da ficção de antevisão, das novas visões e dimensões, dos temas quase impossíveis, da ficção do imagináriio, da ficção científica e também da ficção estética (uma variante da ficção científica que penso ter inventado em 1988), somos uma alternativa ilimitada ao neo-naturalismo limitado que se apoderou da realidade, que grasna e prolifera totalitário-midiático." Carlos Emílio C. Lima

Sinais, roteiro e direção de M. Night Shyamalan. Fé, Deus e ETs.

"Sou um aficionado do conto fantástico, que já fez parcerias geniais com a ficção científica. É o caso do meu autor preferido no gênero, Ray Bradbury, autor de um livro extraordinário: Os frutos dourados do sol. Bradbury vai muito além de meros recursos imaginativos associados a um conhecimento científico. O fantástico, nele, é potencializado pela linguagem poética, pelo domínio da linguagem expressiva. É, portanto, literatura de alta qualidade. E é justamente isto que sinto falta na maior parte da Science Fiction: textos que nasçam de um impulso profundo, como todas as grandes obras artísticas, e não frutos de uma mera engenhosidade. Daí o entusiasmo com o qual recebi a proposta de Nelson de Oliveira de criação dessa revista que tem como proposta justamente isto: unir os recursos da ficção científica com a alta literatura, buscando uma renovação do gênero entre nós." Carlos Ribeiro

"Mais do que entretenimento, sience fiction é reflexão. Permite que, através de um simples deslocamento, possamos refletir sobre o nosso meio e o nosso tempo, exarcebando idéias, sentimentos, sonhos, utopias, medos. Se uma fatia dos leitores, os falsos-realistas, se incomoda é porque é difícil conviver com a ausência de máscaras. A idéia de fim de mundo (uma fixação da ficção científica), por exemplo, não seria ao mesmo tempo pesadelo e alerta? Logo, a FC tem um duplo alcance: nos permite sonhar e nos faz amargar o que somos, seres irresponsáveis." Mayrant Gallo

Revista PORTAL SOLARIS, lançamento em 23 de agosto próximo, às 10 horas, na LDM, Rua Direita da Piedade, 20, Piedade, Salvador, BA. Só 20 exemplares! (71) 2101-8000 (reserva de exemplar).

Cartaz da primeira versão para o cinema de Solaris, o famoso romance do polonês Stanislaw Lem, sob a batuta do russo Andrei Tarkóvski, em 1972.



Escrito por Mayrant Gallo às 18:44
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




COMUNISMO

O que os chineses fizeram com a vara de Fabiana Murer? Ora, cortaram em roletinhos e dividiram entre eles. Tudo pelo coletivo. Bem ao gosto do Comunismo.

 

Foto: Globo.com.



Escrito por Mayrant Gallo às 21:21
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
    Categorias
      Todas as Categorias
      Evento
      Citação
    Outros sites
      UOL - O melhor conteúdo
      BOL - E-mail grátis
      Miniconto
      Rita Lee
      Rascunho
      Bestiário
      Estante Virtual
      L&PM
      CD Point
      2001 Vídeo
      Verbo 21
      Cronópios
      Traça
      Simplicíssimo
      Vitor Ramil
      Jornal dos Sports
      Sidarta
      Idéias e Histórias
      Baratos da Ribeiro
      Edições K
      Câncer de Mama
      Panorama da Palavra
      Bagatelas!
      Concursos Literários
      Impressões de Ontem
      Estações Ferroviárias
      Carlos Ribeiro
      Carlos Barbosa
      Entrelivros
      Vaia
      Digestivo Cultural
      Viajando...
      Pôsteres de Cinema
      Amauta Editorial
      Escritoras Suicidas
      InterCidadania
      Entretantos
      Flickr
      Márcia Maia (1)
      Márcia Maia (2)
      Sandro Ornellas
      Quintana
      Cozinha do Cão
      Domínio Público
      Design Editora
      Polichinello
      Camille
      "Entre Aspas"
      Marcelo Barbão
      Foto-Síntese
      Madame K
      Setaro's Blog
      Embrulho no Estômago
      Germina
      Wladimir Cazé
      CosacNaify
      Brandão Sebo
      Flavio Luiz Cartum
      Vestígios da Srta. B
      Notas Mínimas
      Katia B
      Futeboleiros
      Aeronauta
      Ualmanak
      Anjo Baldio
      Ana Cecília
      Barefoot
      Veículo Voador
      Imagens e Palavras
      Cavalo de Ferro
      O Muro e outras...
      Veredas
      Geringonça
      Cavaleiro de Fogo
      Gerana Damulakis
      Portal Solaris
      Menalton Braff
      Blog do Menalton
      Thomaz Albornoz Neves
      Eu ao Meu
    Votação
      Dê uma nota para meu blog